Os impactos que os vazamentos de água causam.

Economizar água e pagar menos no final do mês é o desejo de muitas famílias. Nesse sentido, é possível colocar algumas mudanças de atitude em prática, que podem contribuir para esse objetivo. Em contrapartida, os vazamentos aparecem como um grande obstáculo.

Além dos impactos na conta e do desperdício, o vazamento de água pode causar problemas na estrutura do seu imóvel, afetando paredes, pisos e tubulações. E ainda existe um agravante: nem sempre ele está visível, por isso, é importante ter atenção para que seja identificado o quanto antes. Quer saber mais sobre o assunto? Continue lendo e confira!

Quais são os tipos de vazamentos de água e como detectá-los?

Quando pensamos em vazamentos, vem à mente a imagem de um cano estourado ou de uma grande quantidade de água pela casa. Esses são conhecidos como vazamentos externos. Isso pode acontecer, mas os mais comuns são aqueles que não vemos, ou seja, estão invisíveis no nosso dia a dia.

Esses vazamentos invisíveis, ou internosacontecem com frequência e podem ocorrer, por exemplo, no vaso sanitário, quando apenas um filete de água é formado e dificulta a visualização. Também ocorre em tubulações aterradas ou dentro das paredes, nas partes internas da estrutura dos imóveis.

Encontrá-los nem sempre é fácil, e o recomendado é contratar empresas especializadas nesse serviço, conhecidas como “caça-vazamento”. Elas utilizam um equipamento chamado GEOFONE, que consegue captar o som da água através das paredes. Isso evita que você tenha que ficar quebrando pisos ou paredes para procurar onde está localizado o vazamento.

Porém, antes de chamar um especialista, você pode realizar alguns testes em casa para verificar se o vazamento não está em outro lugar, como na caixa d’água, no vaso sanitário ou na piscina, caso você tenha.

Para identificar escapes na caixa d’água, o primeiro passo é fechar o registro de saída do reservatório. Em seguida, fechar totalmente a torneira da boia e marcar no reservatório o nível em que a água se encontra. Verifique se ele continua igual depois de 1 hora. Se houver diferença, há vazamento.

No vaso sanitário, uma forma simples para fazer a verificação é colocar um pouco de sabão em pó nas paredes. Se ele ficar úmido e escorrer, é sinal de que tem água escapando naquele local.

Em piscinas, o teste deve ser feito para verificar se a água está vazando ou apenas evaporando. Para isso, encha a piscina normalmente, além de um balde até perto da borda. Coloque o balde dentro da piscina de forma que ele fique preso e não troque água com ela. Marque o nível de ambos e verifique no outro dia, comparando a altura dos níveis de cada um. Se houver uma grande diferença entre as marcações, há vazamentos.

Como os vazamentos de água causam prejuízos?

Os vazamentos podem causar vários prejuízos, desde maior gasto mensal até danos na estrutura do seu imóvel, caso não sejam identificados logo. Entenda melhor abaixo.

Prejuízo financeiro

O aumento na conta de água é, geralmente, o primeiro indício de que há um vazamento no imóvel. Quando o vazamento está dentro do imóvel, a responsabilidade de encontrar e corrigir o problema é do proprietário.

Desperdício de água

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU)uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso à água potável no mundo, por isso, utilizá-la de forma sustentável é dever de todos cidadãos.

No Brasil, estima-se que 38% da água tratada seja desperdiçada, o equivalente a 7 mil piscinas olímpicas cheias! Essas perdas são causadas por vazamentos internos e externos, ligações ilegais na rede de distribuição.

Por isso, é importante que os vazamentos de água sejam resolvidos o mais rápido possível, visto que o prejuízo não é só para o consumidor, mas para toda sociedade.

Deterioração da estrutura do imóvel

Quando o vazamento ocorre na laje ou no telhado, é comum que a água escorra pelas paredes ou fique pingando em cômodos da casa. Além do incômodo, isso propicia o surgimento de fungos nas paredes e no teto. O mesmo ocorre quando o vazamento inicia na área interna de uma parede.

Assim, há comprometimento da estrutura do imóvel. No caso do teto, pode haver até o risco de ele começar a ceder e até cair, em casos mais graves. Os vazamentos invisíveis, geralmente, causam transtornos maiores e custos mais altos, pois necessitam de reformas nas tubulações.

O que fazer para evitar vazamentos de água?

Mais importante do que saber o que fazer em caso de vazamento é entender como evitá-los, afinal, é melhor prevenir do que remediar, certo? Para isso, faça vistorias frequentes nos cômodos da casa, nas torneiras, nas descargas, etc.

Verifique se todo o encanamento está bem vedado, se o vaso sanitário e as torneiras não ficam pingando depois do uso, se a caixa d’água está em perfeitas condições de uso etc. No caso da descarga, às vezes é possível ouvir o barulho de água escorrendo ou da caixa acoplada enchendo com frequência, mesmo sem ser acionada. Se perceber algum desses problemas, examine o local com cuidado.

Um outro momento em que é preciso ter atenção redobrada é ao furar paredes para instalação de armários, prateleiras, quadros, entre outros. Lembre-se de que as tubulações da sua casa passam por dentro das paredes, por isso, há um risco de serem perfuradas nesse momento. Se isso acontecer, feche o registro de água rapidamente para que o vazamento cesse e chame um profissional para trocar a tubulação.

Outras dicas para evitar vazamento:

  • Troque as tubulações, caso seja necessário;
  • Limpe as válvulas reguladoras de pressão e verifique o estado das boias utilizadas na caixa d’água e na descarga do vaso sanitário.

Fonte: BRK ambiental

Boatos sobre contaminação das águas é falso

Saae explica o ocorrido

MANHUAÇU (MG) – Devido às ‘Fake News’ espalhadas nas redes sociais, o SAAE informa à população de Manhuaçu que não existe veracidade sobre os boatos que circulam, questionando a qualidade de nossas águas.

Mesmo com a enchente, não tivemos nenhum problema relacionado à contaminação da água. Tivemos apenas um rompimento em nossa rede mestra, que foi reparado logo no domingo, dia 26, e uma interrupção em nossas bombas, que ficaram submersas por conta das inundações. Mesmo com o ocorrido, isso não interfere, de fato, em qualquer questão sobre contaminação. Seja qual for a mensagem que chegue aos moradores referente ao assunto é falsa.

Toda a água captada e tratada passa por um rigoroso controle de qualidade, por profissionais treinados e capacitados, 24 horas, para fornecer à população. Além disso, todo o processo é realizado dentro dos padrões exigidos pela portaria do Ministério da Saúde.

O SAAE lamenta que tal atitude, mal intencionada, tenha influenciado várias pessoas a compartilhar, proliferando a mentira aos cidadãos. Lembramos também sobre a importância dos meios de comunicação oficiais, que têm a função de levar informação confiável a todos.

Assessoria de Imprensa- SAAE Manhuaçu

SAAE inaugura adutora em Vila Nova/ Realeza e ampliação e revitalização da ETA em Vila Nova

MANHUAÇU- (MG) – Foi inaugurado na última semana a ampliação da Estação de Tratamento de Água do distrito de Vila Nova, junto à nova adutora de água bruta que beneficiará Vila Nova e Realeza.

Autoridades seguiram para o distrito com o objetivo de conhecer as melhorias feitas no local.

Estiveram presentes, a prefeita Cici Magalhães, o vice-prefeito Renato César Von Randow, o deputado estadual João Magalhães, o diretor do SAAE Luiz Carlos de Carvalho, os vereadores que representam o distrito de Vila Nova, Jorge Augusto Pereira e Gilson César, secretários municipais e a representante do CISAB Zona da Mata Thays Rodrigues.

 A obra foi uma conquista do SAAE junto a prefeitura municipal, que sempre apoia a Autarquia em relação à investimentos para a população.

A prefeita Cici Magalhães, em seu discurso, falou sobre a necessidade que Vila Nova tinha em relação ao abastecimento e sobre o comprometimento do SAAE com a conclusão das obras. “ Parabenizo aos funcionários do SAAE que se empenham diariamente para entregar um serviço de qualidade ao usuário. A ampliação da ETA é uma conquista tanto da população quanto dos servidores que se dedicam a Autarquia como se fosse deles. ”

ADUTORA REALEZA/VILA NOVA

A construção da nova adutora com captação de água bruta no distrito de Realeza está levando água para ser tratada na ETA de Vila Nova. Além disso, foram construídos 2.000 metros de rede de distribuição, ao lado dos 2.000 metros de rede da adutora, visando trazer água tratada para o distrito de Realeza, fortalecendo o abastecimento da população.

A iniciativa para o começo dos trabalhos foi dada devido à diminuição dos poços que abastecem os distritos, que estavam com uma vazão bastante reduzida. De acordo com o Assessor Técnico, Márcio Bahia, o aumento da demanda de consumo foi um dos fatores que influenciou tal redução. “Diante da vazão baixa, tanto das águas superficiais quanto das águas subterrâneas, foi tomado como alternativa a construção de uma nova adutora para captação de água bruta, partindo de Realeza, em um córrego que corta o distrito. Com isso, criamos um sistema de captação para atender a demanda atual que fosse economicamente viável. O sistema todo consiste em captar, aduzir, e aumentar a capacidade de tratamento da ETA (Estação de Tratamento de Água) de Vila Nova, além da construção de uma rede de distribuição para Realeza. ”

REVITALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ETA EM VILA NOVA

Na estação, foi feita a revitalização para melhor atender as exigências reguladoras e também ampliado o sistema de tratamento de água, buscando uma maior eficiência, aumentando a capacidade da ETA, sendo capaz de tratar aproximadamente o dobro da vazão anterior.

Para o diretor do SAAE, Luiz Carlos de Carvalho, a preocupação em estruturar a Estação de Tratamento do distrito, que carecia de uma atenção especial nos últimos anos. “Vila Nova e Realeza eram os distritos com maior necessidade de melhora no fornecimento de água. Os trabalhos que foram realizados são frutos de uma atenção que os moradores já aguardavam, ” conclui Luiz.

Com a ampliação e revitalização a ETA ganhou:

• Novos equipamentos;

• Reforma no acabamento;

• Troca de laboratório;

• Troca de pisos e forros;

• Troca na parte elétrica;

• Bancadas e armários;

• Novo local para refeições dos funcionários;

• Novo floculador;

• Reativação e reforma do decantador;

• Novo filtro;

• Novo sistema de tratamento de água.

Assessoria de Imprensa- SAAE Manhuaçu

5 cuidados com a piscina que você deve ter neste verão

A média de temperatura do Brasil gira em torno dos 25 °C a 27 °C e no verão a tendência é que o calor aumente bastante.

Com a chegada dessa estação, a piscina vai se tornando o centro das atenções e começa a ter uma movimentação muito maior. Exatamente por isso é necessário ter uma rotina de limpeza de piscinas regular.

Por isso, trouxemos algumas dicas para te ajudar a mantê-la sempre limpa e segura!

1. Tenha cuidado com a área externa

Claro que a limpeza da piscina em si é importante, mas já parou para pensar o quanto é importante que a área externa também seja higienizada?

Fatores como a circulação de pessoas e animais, presença de plantas e a ação do vento podem colaborar para levar sujeira do exterior para dentro da piscina. Por isso, você precisa limpar diariamente a arte externa, a borda e o deck.

Sempre limpe de dentro para fora, ou seja, comece pela borda e siga limpando em direção oposta à piscina. Dessa forma, você evita que poeira, folhas e outros elementos caiam em seu interior.

Além disso, o entorno do parque aquático também merece atenção. Faça um estudo do fluxo de movimento das pessoas até a piscina e procure manter esses ambientes sempre limpos, para que não contribuam em levar sujeira e objetos estranhos ao local.

2. Fique de olho na “coadeira” e no pré-filtro para garantir a limpeza das piscinas

skimmer (também chamado de coadeira) é um dispositivo que fica na lateral da piscina e tem a função de captar sujeiras na superfície da água. Sua limpeza deve ser feita semanalmente, de forma a garantir o bom funcionamento do aparelho. Para isso, abra-o e remova do coletor tudo o que ficou retido ali.

Já o pré-filtro tem a função de aspirar e filtrar sujidades maiores que não tenham sido aspiradas pelo skimmer — evitando que esses elementos estranhos prejudiquem o funcionamento da bomba. Sua limpeza pode ser realizada mensalmente ou quando você notar que há excesso de sujidade na água. Assim como o skimmer, a limpeza do pré-filtro deve ser feita manualmente.

Fazendo a limpeza regular desses dispositivos, você garante uma perfeita circulação da água e que não haja objetos estranhos em seu interior e superfície.

3. Atente-se à superfície e às paredes

Mesmo com o skimmer e o pré-filtro, alguma coisa pode permanecer na água. Por isso, você deve ter uma rotina diária de peneiração para retirar folhas, insetos, galhos ou qualquer outro detrito que possa estar ali.

Já para a limpeza das paredes, você deve utilizar uma escova de piscina com cerdas macia. Assim, você remove gordura corporal, restos de filtro solar e até mesmo suor dos banhistas, que podem acarretar no surgimento de algas, bactérias, fungos e na aparição de manchas nessas superfícies.

Esse procedimento deve ser realizado semanalmente e, para ele, não podem ser usadas escovas com cerdas metálicas ou palha de aço, pois isso certamente danificará permanentemente o revestimento da piscina.

4. Faça a decantação e depois aspire o fundo

A decantação é um processo que separa os elementos sólidos da água da piscina, ou seja, ele separa as partículas de sujidade das partículas de água. Esse processo é feito através de um decantador de piscina.

Aplique-o e espere o prazo mínimo de 12 horas — ou a duração indicada na embalagem do produto. Após esse tempo, já pode ser feita a aspiração, pois os detritos já se encontrarão depositados no fundo da piscina.

O trabalho fica muito mais fácil dessa forma, mas fique atento: essa é a etapa mais minuciosa e que requer muito cuidado. Você deve realizar essa limpeza lentamente, para evitar que as partículas que você acabou de separar misturem-se novamente à agua. Tenha atenção especial aos cantos, onde costuma se acumular a maior parte da sujeira.

5. Controle o pH, a alcalinidade e o cloro

Nem toda sujeira é visível aos olhos, por isso o tratamento químico da água também é necessário. Isso inclui a cloração, o controle do pH e o controle da alcalinidade.

Alcalinidade

A alcalinidade é a capacidade que a piscina tem de neutralizar ácidos e, consequentemente, manter seu pH estável. Todos os parâmetros influenciam no equilíbrio químico e também no conforto dos banhistas, porém deve-se dar uma atenção especial à alcalinidade, já que quando mantida nos parâmetros ideais, o pH se estabiliza mais facilmente — dispensando correções frequentes, o que gera maior economia e praticidade na limpeza.

Para verificar a alcalinidade da piscina é necessário utilizar um kit de teste de alcalinidade ou uma fita teste. A utilização do kit é mais recomendada, pois ele proporciona maior precisão. Se os valores estiverem fora dos parâmetros — que são entre 80 e 120 ppm —, você precisará corrigi-los.

pH

A sigla pH significa “potência de hidrogênio”. Trata-se da medição de íons de hidrogênio dispersos na água e isso determina se ela está ácida, neutra ou alcalina (básica).

O controle do pH é primordial para sua qualidade e também para a durabilidade da piscina e de seus equipamentos. Alguns motivos para a correção do pH são:

  • caso a água esteja muito ácida, ou seja, com pH baixo, os produtos químicos utilizados para o tratamento apresentarão resultados ineficientes;
  • caso o pH esteja baixo, os banhistas podem sofrer irritações e partes metálicas dos equipamentos podem ser danificados devido ao processo de corrosão da água causado pela sua acidez;
  • caso ela esteja muito alcalina (com pH alto), os produtos de desinfecção serão ineficazes, comprometendo a qualidade da água, que se tona turva — iniciando, assim, o processo de formação de calcário nas tubulações e equipamentos.

Portanto é extremamente necessário que o pH esteja neutro. O valor ideal é entre 7,2 e 7,6.

Cloro

O cloro sempre foi indispensável para o tratamento da piscina e para que ela se mantenha em condições adequadas de banho. Ele desinfeta e mata microrganismos prejudiciais à saúde. Quando dissolvido na água, também atua como bactericida, fungicida, germicida, algistático e algicida.

Como você pode perceber, manter uma piscina demanda muito cuidado, trabalho de manutenção e limpeza constante, de forma a garantir a qualidade da água e a saúde dos frequentadores.

Com essas dicas, vai ser muito mais fácil manter uma rotina de limpeza de piscinas e ter uma qualidade de água impecável.

Aumento do consumo de água no verão

MANHUAÇU (MG) – No verão, a estação mais quente do ano, a população busca se refrescar com maior frequência. O calor fica mais intenso e, como consequência, há um grande aumento no consumo de água. Diante desse cenário, a boa notícia é que com consciência e pequenas ações é possível economizar – e ainda ajudar no bolso.

De dezembro a fevereiro, juntamente com as férias escolares, o consumo médio de água aumenta. Em outros meses, a média de consumo diário equivale a aproximadamente 150 litros por habitante/dia. Porém, o calor intenso aumenta de 10% a 15% na quantidade de litros utilizada por pessoa.

As atividades que mais desperdiçam água são as de rotina do cotidiano, como deixar a descarga vazando, não usar ou deixar de fazer a manutenção da boia na caixa d’água, deixar a mangueira ligada durante toda a noite e usar a força da água da mangueira para limpar a calçada, ao invés e usar a vassoura. Mesmo com chuvas que ocorrem no início deste ano, os cuidados ainda devem ser constantes, de maneira a prolongar a água disponível.

Confira algumas dicas de economia de água:

  • Diminua o tempo do banho.
  • Não deixe as torneiras abertas.
  • Economize água nas tarefas domésticas.
  • Preste atenção em pequenos vazamentos, não deixe torneiras pingando.
  • Use a vassoura, e não a mangueira, para varrer a calçada.
  • Escove os dentes, faça a barba ou ensaboe o rosto com a torneira fechada.
  • Quando lavar e enxaguar a louça ou roupa, utilizar apenas a água necessária.
  • Use balde para lavar o carro, em vez da mangueira.
  • Regue as plantas de manhã cedo ou cair da noite. Quando o sol está alto e forte, grande parte da água perde-se por evaporação.
  • Se possível instale uma válvula para regular a quantidade de água liberada no vaso sanitário.
  • No caso de descarga automática, evitar o acionamento demorado. A caixa acoplada é mais econômica.
  • Feche o chuveiro ao ensaboar o corpo durante o banho.
  • A água de cozimento dos vegetais, depois que esfria, pode ser usada para regar plantas e jardins.
  • Trate a água da piscina para não precisar trocá-la com frequência. Outra dica é cobrir a piscina com lona quando fora uso para evitar a evaporação.
  • Coloque sistemas de controle de fluxo de água (aeradores) no bico das torneiras.
  • Reaproveite a água da máquina de lavar roupas para outras atividades domésticas.
  • Observe sempre o funcionamento da boia da caixa d’água. Boia com defeito é água perdida pelo extravasor (ladrão).

DICA IMPORTANTE: É importante entender de onde vem o consumo mais alto. E ele vem do banheiro. Em tempos de calor, a probabilidade de utilizar o chuveiro por mais tempo é maior. Por isso, a primeira dica é óbvia e simples: reduzir o tempo do banho. Uma pessoa que leva cinco minutos a menos no banho diariamente, economiza cerca de 25 litros de água.

Veja dicas para evitar a proliferação do Aedes aegypti neste verão

Sol, calor e chuvas passageiras: elementos típicos da estação mais quente do ano. Esse é o ambiente propício para a reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Especialistas alertam que o Aedes fica mais ativo no verão. Outro motivo para a disseminação do vetor é o armazenamento de água em casa nessa época do ano, devido à queda no volume dos reservatórios em algumas regiões. Essa reserva pode se tornar criadouro do mosquito, caso a pessoa não tome os devidos cuidados. Portanto, mais do que nunca, a palavra-chave é prevenção.

A principal arma é a conscientização da população no combate ao mosquito, Com medidas simples e alguns cuidados básicos, as pessoas podem contribuir para inibir o surgimento das larvas, evitando a proliferação do mosquito.

Sintomas

Quando não tratadas adequadamente, a dengue, zika e chikungunya podem levar à morte ou deixar sequelas. Os principais sinais percebidos são febre, dor de cabeça (cefaleia), dor no corpo, dor nos músculos (mialgia) e nas articulações (artralgia) e erupção cutânea (exantema). Porém, existem as peculiaridades de cada doença. Saiba quais:

– Dengue: a dor atrás do globo ocular/olhos (retro-orbitaria) é bem frequente. Há risco de morte, como na dengue hemorrágica.

– Chikungunya: a dor articular é bastante intensa, chegando a apresentar inchaço nas articulações atingidas. A letalidade da chikungunya é menos frequente do que nos casos de dengue. No entanto, existem casos em que alguns sintomas persistem, cronificam e o paciente pode permanecer com dor nas articulações por até três anos.

– Zika: os sintomas citados são bem menos intensos que nas outras duas viroses. Porém, o perigo maior é para gestantes e mulheres em idade fértil, pelo risco de microcefalia fetal.

Tratamento

Assim que aparecerem os sintomas de uma das três doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, o paciente deve procurar rapidamente o atendimento de saúde para ser examinado por um médico e realizar os exames laboratoriais como hemograma e sorologia.

A medicação consiste basicamente no uso de antitérmico e analgésico, além da hidratação. Há situações em que o paciente precisa ficar internado, como nos casos graves de dengue. De acordo com a infectologista Jacqueline Martins, quando isso ocorre, surgem ainda sintomas como dor abdominal intensa, hipotensão arterial e letargia.

Recomendações

Existem várias formas de evitar o surgimento das larvas do Aedes aegypti. Veja as principais:

– Reservatório: Mantenha sempre bem tampados caixa d’água, tonéis, barris ou qualquer reservatório de água. Lave-os, pelo menos uma vez por semana, com água e sabão.

– Lixo: Coloque garrafas usadas viradas com a boca para baixo ou deixe-as tampadas. Não jogue lixo em terrenos ou acumulado em casa. Coloque todo o resíduo em sacos plásticos fechados e mantenha as lixeiras tampadas.

– Calha: Mantenha as calhas sempre limpas, retirando as folhas e galhos para facilitar a passagem da água. Evite também água da chuva acumulada sobre a laje.

Estratégias para aumentar o consumo de água

Embora ainda seja primavera, o clima em diferentes regiões já está quente, afinal, o Brasil é um país tropical e na maior parte do ano, as temperaturas ultrapassam facilmente a casa dos 30º C.

Quando enfrentamos muito calor, uma das maneiras que nosso organismo tem de regular a temperatura é suando. Entretanto, mesmo com grandes taxas de sudorese, existem muitas pessoas que não consomem água de maneira adequada.

Foi pensando em evitar a desidratação e manter a saúde de muita gente, que preparamos esse conteúdo, que conta com estratégias eficazes para aumentar o consumo de água em épocas de temperaturas altas, como as de agora.

Os perigos da desidratação

Um problema de saúde relativamente frequente nos meses de primavera e verão é a desidratação, que nada mais é do que a perda de água excessiva pelo organismo, sem nenhum tipo de reposição.

A desidratação traz graves consequências à saúde de adultos, mas é muito mais perigosa para crianças e idosos.

Dentre os principais perigos da desidratação estão:

  •       Mau funcionamento dos rins;
  •       Dificuldades de concentração;
  •       Queda de pressão arterial;
  •       Dores de cabeça;
  •       Desmaios súbitos;
  •       Infartos;
  •       Paralisação de funcionamento do trato digestório;
  •       Parada cardiorrespiratória;
  •       Morte.

Como é fácil notar, a desidratação pode trazer uma série de consequências danosas à saúde. Por isso, a importância do consumo de água.

Estratégias para aumentar o consumo de água

Para muitos beber água é um verdadeiro problema. Idosos são um exemplo clássico de grupos que não sentem sede. Isso ocorre devido a alterações do organismo, que regulam essa sensação. Além disso, o mundo está cheio de pessoas que se esquecem de beber água, e até aqueles que não gostam, pois dizem que água não tem gosto.

Pois bem. Para todo esse público é possível aplicar estratégias funcionais para aumentar o consumo de água. As principais são:

  •       Utilize um app;
  •       Aposte no canudo;
  •       Aposte em diferentes formas;
  •       Dê sabor à água;
  •       Tenha uma garrafinha sempre à vista.

Vamos agora, falar sobre cada uma dessas estratégias.

Utilize um app

Hoje em dia existe aplicativo para tudo, inclusive para aumentar o consumo de água. Esses aplicativos emitem alertas de tempos em tempos para que a pessoa não esqueça de se hidratar. Basta baixar, programar e se hidratar.

Aposte no canudo

Pode parecer uma ideia maluca, mas quando utilizamos um canudo para beber algo, a tendência é que se ingira uma maior quantidade. Por isso, ter uma garrafinha e um canudo sempre por perto, pode ajudar a aumentar o consumo de água. Ah, e para colaborar com o meio ambiente, é melhor apostar em um canudo e uma garrafinha que sejam reaproveitáveis.

Aposte em diferentes formas

Você não precisa beber somente água para se hidratar. Outras formas de líquido podem ser utilizadas para hidratação, as melhores são os sucos naturais e os chás.

Dê sabor à água

Conforme citamos, há quem não goste de água pelo simples fato dela não ter gosto. Mas isso não é mais desculpa, afinal é possível aromatizar a água de diferentes maneiras. Colocar no interior da garrafa, pedaços de gengibre, folhas de hortelã, canela em pau, são ótimas formas de conferir sabor a água e consumi-la sem grandes dificuldades.

Tenha uma garrafinha sempre à vista

Essa é uma estratégia antiga, mas um tanto quanto válida, pois manter uma garrafinha sempre a vista, faz com que a pessoa automaticamente beba água de maneira automática, sem perceber, mantendo assim o organismo hidratado.

VASO SANITÁRIO NÃO É LIXEIRA

MANHUAÇU (MG)- A lixeira está ao lado, mas muita gente acaba descartando os mais variados resíduos no vaso sanitário, acreditando que, ao dar a descarga, tudo está resolvido. O ato, porém, traz sérias consequências.

Entre os problemas que podem ser listados estão o entupimento da privada e da rede de esgoto; maior consumo de água para dar descarga; além de deixar de reciclar diversos materiais que podem ser reaproveitados para dar origem a novos produtos.

Confira os transtornos que alguns itens causam se descartados incorretamente no vaso sanitário:

Lenço umedecido

Ao se juntar com restos de gordura e óleo, esses produtos se transformam em uma massa gigante, difícil de ser retirada dos canos. Os lenços acabam indo parar nos rios e virando alimento de aves, peixes e outros animais.

Lenços faciais, toalhas de papel e cotonetes

Esses itens são formulados para permanecerem intactos, por isso, demandam tempo para que diluam na água, não devendo ser descartados no vaso sanitário.

Fio dental

Parece ser inofensivo, mas além de não se dissolver na água, o fio dental irá prender os demais objetos encontrados no percurso, tornando-os ainda mais volumosos e causando grandes entupimentos.

Absorvente interno

Por serem pequenos, muitas mulheres acham que não há problema em descartar o absorvente interno no vaso sanitário. Seus materiais absorventes, além da cordinha, não se rompem facilmente e não podem ser processados por centros de tratamento de águas residuais, danificando o sistema de redes. Embrulhe o absorvente usado em papel higiênico e descarte-o no lixo.

Preservativo

Descartar camisinha no vaso sanitário pode implicar no entupimento do vaso sanitário e transbordamento do esgoto.

Remédios

O descarte de fármacos pode contaminar a água. Quando precisar descartar remédios vencidos, verifique se alguma farmácia promove programa de descarte consciente ou se o estabelecimento pode intermediar esse processo junto ao fabricante do produto.

Areia higiênica

Muitas pessoas descartam no vaso sanitário a areia utilizada pelos gatos para fazerem suas necessidades, porém, ela não se dissolve na água e pode criar obstruções.

Lentes de contato

As lentes de contato, se descartadas no vaso sanitário, não se degradam facilmente e podem chegar à superfície da água, causando danos ambientais. O item é feito através de diferentes misturas de polímeros, ou seja, variados tipos de plástico.

Elas também são imunes às bactérias. As lentes, de acordo com pesquisas, podem causar danos de longo prazo para peixes ou a outros animais.

Também, se forem jogadas na lata de resíduos reservada aos materiais plásticos para reciclagem, há grandes chances de as lentes irem para o meio ambiente, já que seu tamanho faz com que as cooperativas não consigam lidar com elas. A alternativa é descartá-las no lixo comum.

Assessoria de Imprensa- SAAE Manhuaçu